O que fazer em Belo Horizonte – Turismo no Mercado Central

Antes de tudo eu preciso dizer que conhecer o Mercado Central normalmente não estaria nos meus planos quando eu estivesse procurando o que fazer em Belo Horizonte. Não tenho nada contra. Mas como na maioria das vezes eu viajo com pouco tempo acabo priorizando sempre pontos turísticos mais óbvios primeiro. Nada de mercados!

Sim, eu sou uma turista clichê! Daquele tipo irritante que tira foto mandando beijinho. Que faz questão de tirar milhões de fotos no mesmo lugar na esperança de conseguir pelo menos uma perfeita. Nunca imaginei mercado como um bom lugar para essas fotos. Deve ser porque visualizava um lugar cheio, mal organizado, com cheiro de peixe e que de jeito nenhum ficaria bem nas fotos.

Como consequência desse pensamento bobo eu nunca fazia questão de visitar Mercado Central de lugar nenhum. Mesmo sabendo que os mercados fazem parte dos atrativos turísticos das cidades e nos ajudam a conhecer mais sobre a cultura de uma região.

Mas graças aos céus que eu participei do encontro de blogueiros de viagem promovido pela RBBV em 2016, e por sorte, como parte do evento estava incluída uma visita ao Mercado Central de BH organizada pela Belotur.

Assim, na tarde da sexta-feira do dia 25 de novembro, eu e mais de 100 blogueiros de viagem fizemos um passeio pelo Mercado de Belo Horizonte. Nesse dia pude perceber a idiota que eu era. Conhecer o mercado acabou sendo pra mim um dos pontos altos do encontro.

Chegando lá fomos abastecidos com um café delícia, cortesia da direção do Mercado Central. Depois de me entupir de pão de queijo, parei para observar a apresentação que o diretor fazia logo mais na frente. Eu estava com a boca cheia de queijo canastra quando minha atenção foi capturada pelo discurso dele.

Café no Mercado Central de BH - O que fazer em Belo Horizonte
Tava bão demais da conta tudo isso!!

Orgulhosamente ele contava que o Mercado de BH tinha sido eleito o terceiro melhor do mundo pela revista Tam nas Nuvens e que recebia mensalmente mais de um milhão de visitantes. Com a surpresa, meus olhos esbugalharam levemente nesse momento. Já contei pra vocês que eu não era muito fã de mercados né?!

Comecei a me apegar mais ao papo que rolava. Descobri que a administração deles era privada e não pública como acontece com a maioria dos mercados. Que os lojistas tinham se unido e comprado o terreno a muitos anos atrás de uma maneira empreendedora e formado uma espécie de associação por quotas.

Como donos eles passaram a ter mais liberdade e investiram na organização e qualidade do espaço. Perceberam também o potencial turístico e aos poucos transformaram o mercado num lugar cheio de diversidade que oferece ao seus visitantes um mergulho no jeitinho mineiro de viver a vida.

Hoje muitos chefs renomados do Brasil frequentam o Mercado Central de Belo Horizonte. Ou seja, andando por ali você talvez pode adquirir os mesmos ingredientes culinários de um estrelado restaurante. Se sua comida vai sair tão boa quanto, aí já é outra história. 

Com alguns quilos mais gorda me juntei a uma turma de blogueiros que resolveu seguir a visita guiada oferecida pela administração do Mercado.  A guia, pasmem, falava quatro línguas!!  Enquanto isso eu mal consigo me comunicar em duas.

Blogueiras de viagem no Mercado central de BH
Eu, Zê do blog Em cantos Fotográficos, Vivi do Vivi na Viagem e Maíra do blog Aos Viajantes.

A visita guiada acabou por me deixar mais encantada ainda pelo mercado. Eu já tinha ficado impressionada com o discurso do diretor.  Aí veio a Mari e pimba, arrebatou de vez meu coração.  Por trabalhar a muito tempo no mercado ela conhecia a história de cada pessoa que tinha passado ali. Pessoas que construíram uma trajetória de sucesso através de muita luta. Que na labuta diária e através do suor de um ofício digno encontraram forma honesta de viver.

Amei as histórias!! Saí com a sensação de que eu tinha conhecido todas aquelas pessoas que transformaram o Mercado de BH no que ele é hoje. A Mari passou a impressão de que eles eram uma família muito mais que uma empresa. E eu fui embora torcendo por elas, pra que tudo continuasse dando tão certo e que todos fossem felizes e bem sucedidos.

São histórias como a desses pequenos empresários que eu gostaria de ver no Jornal Nacional. Não aguento mais ver notícia de político corrupto e delação premiada. Gente que só quer o sucesso e não o trabalho.

Se você procura o que fazer em Belo Horizonte, o mercado central precisa ser incluído no roteiro. Ali não encontramos só queijo minas. Tem queijo canastra, pimenta, doce de leite, restaurantes disputadíssimos como o Casa Cheia, artesanatos lindos, cachaça da boa e da mais cara também! E até produtos árabes legítimos e padaria artesanal gente!!

Croissants da padaria artesanal Du Pain - Mercado Central de BH
Croissants da padaria artesanal Du Pain

Eu adoro lugares fofos, então não foi a toa que fiquei muito fã do mercado. Achei tudo muito limpo, organizado e o atendimento deles também foi fantástico. Nada nem perto daquele lugar fedido e feio que habitava a minha mente preconceituosa. Ninguém deve torcer o nariz para lugar nenhum antes de ir lá e tirar suas conclusões reais a respeito. Capiche?!

Dizem que em cada viagem aprendemos alguma coisa. Nessa eu aprendi que conhecer mercados pode ser uma experiência fantástica, das mais ricas culturalmente e gastronomicamente.

Informações Úteis sobre o Mercado Central de Belo Horizonte

  • Não acho que essa informação seja útil, mas você sabia que eles vendem 300 toneladas de queijo por dia?!  Eu e o Rafa, do blog Para Viagem fizemos e refizemos cálculos matemáticos e a conta não fechava. Verdade ou propaganda essa foi a informação que nos passaram e eu achei tão chocante que  merecia ser compartilhada aqui. Talvez eles abasteçam o estado inteiro de queijo. Deve ser isso! 🙂
  • visita-ao-mercado-central-de-bh-1Fundado em setembro de 1929 o Mercado Central de Belo Horizonte tem hoje 87 anos de existência.
  • Possui 400 lojas que ficam espalhadas nos seus 22.600 metros quadrados e que recebem de 30 a 40 mil visitantes por semana. Viu como a conta não fecha?! Falaram que o número mensal de visitantes chegava na casa do milhão. Como já deixei bem claro, eu não sou um gênio matemático, mas 40 mil vezes 4 não seria 160 mil?! Deve ter algum outro método que eles usam pra chegar no total divulgado. Mas enfim, polêmicas a parte, 160 mil ainda é um número relevante!
  • Possui Wi-fi grátis e um portão com informações turísticas sobre o mercado e também sobre o que fazer em Belo Horizonte.
  • Eles tem um sistema para armazenar água da chuva e utilizam essa água para limpar o mercado a noite. Adoro empresas que procuram utilizar soluções sustentáveis em respeito a sociedade, ao meio ambiente e principalmente as pessoas. 
  • O Mercado Central de BH oferece o serviço de visitas guiadas por guias bilíngues, realizadas de segunda a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos e feriados, das 9h às 13h, para grupos de até 20 pessoas por vez. O agendamento deve ser feito pelo e-mail mercadocentral.info@gmail.com. Mais informações sobre a visita podem ser conferidas no site oficial do mercado em: visita guiada do Mercado Central de Belo Horizonte

O que fazer no Mercado Central de Belo Horizonte

1) Comer, comer e comer

Vocês entenderam né?! Lá é um ótimo lugar pra engordar alguns quilos e ter fantásticas experiências gastronômicas. A Lívia do Blog Eu sou a Tôa escreveu um post com ótimas recomendações em:

Onde e o que comer no Mercado Central de BH
Du Pain - Padaria artesanal no mercado central de BH
Selfie na Du Pain

2) Tomar uma cervejinha ou uma cachaça da boa

Boteco e cachaça é o que não falta no mercado. Enquanto eu estava fazendo o tour guiado tinha uma turma cachaceira bebendo cervejinha de buenas e jogando conversa fora. Só escolher um dos inúmeros botecos, beber e ser feliz!

3) Comprar artesanato

Ima de geladeira comprado no Mercado Central de BHMinha sorte foi que com medo de ser deixada para trás e ficar perdida no mercado sozinha eu não parei pra ver tudo que queria. Mesmo assim, nesse meio tempo, fui capaz de comprar três imas de geladeira e um kit de molho de pimenta para presente. Meu cartão de crédito agradece do fundo do coração a falta de tempo pra futucar as lojas de artesanato.

Pelo pouco que vi lá é ótimo para comprar cestas, baús, chapéu e uma infinidade de produtos rústicos.

4) Aprender a cozinhar

Quando eu descobri que lá tinha um escola culinária gratuita cujo espaço foi projetado pelo Marcelo Rosenbaum do Doce Lar eu fui a loucura. Fiquei chateada de perder esse esquema. Mas saibam que eu voltarei lá um dia exclusivamente para fazer uma aula dessas. Quando isso acontecer prometo contar por aqui como foi a experiência!!

Agora, só o que posso é me contentar em dar essa dica para você que talvez tenha mais sorte no quesito tempo. Aproveite!! No site do mercado tem tudo sobre esse projeto fantástico patrocinado pela Nestlé.

Saiba mais em : COZINHA ESCOLA NESTLÉ.

O que fazer em Belo Horizonte ?! Só turismo é para os fracos. Além de conhecer pontos turísticos eu dou entrevista. ;.) Acho que não terei coragem de por o vídeo da entrevista aqui mas a foto pode.

Visita de blogueiros ao Mercado Central de BH

 

 

 

Você também pode curtir esses outros posts:

The following two tabs change content below.
Mentaliza uma manteiga derretida que tem um pânico irracional por taruiras. Ama viajar, comprar sapatos e escrever. Um belo dia resolveu criar um blog pra compartilhar seu ponto de vista e escrever sobre os lugares mais incríveis que já conheceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *